Meditações Poéticas Sobre o Evangelho

                                                                                                   Armindo Trevisan


Louvai o Senhor com a cítara,
cantai-Lhe salmos ao som da harpa.

Cantai-Lhe um cântico novo,
cantai-Lhe com arte e com alma.
(Salmo 33).

“Reparai naqueles que cantam
na colheita, na vindima,
ou em qualquer trabalho intenso:
começam a exultar de alegria
com as palavras do cântico;
mas depois, quando cresce a emoção, sentem que já não podem
explicá-la por palavras,
desprendem-se da letra
e entregam-se totalmente à melodia
jubilosa”.

(Santo Agostinho).

                                                    Dedicatória:



A Dom Edson Damian, Bispo de São Gabriel da Cachoeira;
ao Ricardo Zugno e demais membros do Focolare de Porto Alegre;
à Márcia e ao Luís Rosa,
à Rita e ao José Tonolli.

À memória de:
Heleno de Oliveira.

                                            Sumário


Dez Glosas ao Evangelho de São João.
Primeira Glosa.[1]
Segunda Glosa.
Terceira Glosa.
Quarta Glosa.
Quinta Glosa.
Sexta Glosa.
Sétima Glosa.
Oitava Glosa.
Nona Glosa.
Décima Glosa: (ao tema “Noli me Tangere”).
Primeira Glosa ao Evangelho de São Mateus.
Segunda Glosa ao Evangelho de Mateus:
Glosa ao Evangelho de São Marcos
Glosa ao Evangelho de São Lucas
Glosa ao Apocalipse
Glosa a um Fragmento da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios.
Diálogo com a Senhora da Boa Morte


Prefácio

    
 A Palavra de Deus revelou-se na Encarnação da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade - quando o Verbo se fez carne, e nasceu da Virgem Maria.
     O cristão presta seu tributo de adoração, primeiramente, a essa Palavra que, como diz São João da Cruz, nunca mais se repetirá: “Em dar-nos, como nos deu, o seu Filho, que é a sua Palavra única (e outra não há), tudo nos falou de uma vez nessa Palavra, e nada mais tem para falar”[i][ii]
     À medida, porém, que o coração do cristão se deixa impregnar por essa Palavra, o poeta lembra-se da obrigação que Jesus impôs a todos os seus seguidores, na sua Ascensão aos céus: a de anunciar o Evangelho a todas as criaturas.
     É evidente que a poesia nada pode acrescentar à Boa Nova evangélica.
     Uma vez, porém, que a Palavra de Deus também se encarnou, revestindo-se de linguagem humana, o poeta pode eventualmente conferir-lhe um acréscimo de sabor. Foi o que fizeram os medievais quando, nas suas Catedrais, acrescentaram a magia multicoloridas dos vitrais à luz do sol.
     Com o carisma, que o próprio Deus lhe concedeu, o poeta empenha-se para que a Palavra de Deus chegue aos ouvidos dos crentes com a sonoridade de sua língua, e – se possível – com os ecos dos sentimentos e emoções que nessa língua se acumularam ao longo de sua história.
     Todo poema é um búzio que guarda algo do mar onde nasceu. As palavras, assumidas por um poeta, intensificam-se com o significado que os outros poetas lhes conferem. A palavra rosa, por exemplo, terá não só o significado que lhe deu Dante na sua língua materna, mas também o que lhe deram Camões e os demais poetas de nossa língua portuguesa. Ela terá os souvenirs dos significados de todos os poemas onde a palavra rosa aparece.
     Em definitivo, o poeta é uma espécie de jumentinho sobre o qual Cristo pode entrar novamente em Jerusalém, isto é, nos corações dos homens e mulheres de nosso tempo, já não ao som de hosanas e de aplausos acentuados por ramos apanhados nos campos, mas como um Amigo que se dirige a Zaqueu, convidando-o a uma ceia na sua própria casa.


A.T.


Dez Glosas ao Evangelho de São João.


I. Primeira Glosa


No princípio de tudo,aquele que é a Palavra já existia. Ele estava com Deus e ele mesmo era Deus.

(João 1,1).


              No princípio sem princípio
               quando a luz menor dormia

              no ninho da Luz maior
              (da qual depois derivaria);

              no princípio sem princípio
              quando a Palavra fluía

              do seio eterno do Pai,
              feliz em sua falta de origem;

              no princípio sem princípio,
              no seio da Trindade, quando

              Três formavam a unidade
              que em si mesma se expandia;

              quando criatura alguma
              podia pensar que um dos Três,

              dos Três como que partiria
              sem se afastar da unidade;

              no princípio sem princípio,
              quando a mente humana vazia

              não podia compreender
              o que nunca ficou compreensível;

              no princípio sem princípio,
              quando Deus era o que foi,

              o que é, o que será,
              sendo Um, sem adição:

              havia luz, e luz mental,
              tão sublime e substantiva

              que em Si Mesma fulgurava!
              No princípio sem princípio

              quando a plenitude altíssima
              dentro do Ser o impelia

              não a ser, mas simplesmente
              a difundir sua bondade;

              no princípio sem princípio
              onde só Felicidade havia,

              quando as Três Pessoas eram
              uma só economia,

              uma só Onipotência,
              uma só Beatitude;

              no princípio sem princípio:
              - Vinde, adorai,-criaturas,

              vós que buscais vossa origem
              na inexistência que estava

              à espera de que o Poder
              Infinito, e sua Sabedoria,

              baixassem à escuridão
              do que era só exclusão.

              Adorai vosso Princípio
              no Verbo que fez as coisas,

              e nada foi feito sem Ele,
              porque a Palavra continha

              a vida que a inseria
              na sua tríplice comunhão

              No princípio sem princípio
              uma luz, da Luz descida,

              apareceu neste mundo
              produzindo o Alfa e o Ômega.

              Essa luz ,-que era a vida
              dos homens, brilhou nas trevas;

              e o amor foi maior que a culpa
              que pretendia enfrentá-lo.

              Obediente ao Pai, o Filho
              esvaziou de si mesmo,

              tornando-se Homem com alma,
              sem confusão nem mistura,

              com um corpo que podia
              sentir, conhecer, sofrer.

              No princípio sem princípio
              que continua sem princípio,

              irredutível ao espaço,
              e ao tempo que o envolveu,

              uma das Pessoas entrou
              na História, tomando a si

              o que era da criatura.
              Assim, na história dos homens

              a própria Trindade entrou,
              e no seu Mistério entraram

              as criaturas e as coisas,
              os utensílios, e a dor.

              Não obstante ter-se a morte
              insinuado no mundo

              por culpa da Humanidade,
              ela também foi vencida,

              sendo logo encarcerada
              no seu mutismo de réptil.

              Com sua peçonha nos dentes
              essa Serpente odiosa

              nunca conseguiu morder
              o calcanhar de Maria.

              No princípio sem princípio,
              no princípio de tudo, o Verbo

              desceu ao planeta dos homens
              que Ele há de restaurar

              quando chegar sua vez.
              Todas as coisas regressarão

              ao perfume que tiveram
              saídas das mãos de Deus.

              Serão coisas restituídas
              à pureza dos primórdios.

              Céus e terras aprenderão
              a novamente sorrir,

              e os esqueletos e as cinzas
              rebentarão dos sepulcros

              como botões de amendoeiras
              em explosão de casulos,

              ao se abrirem ao sol, na Páscoa,
              sob os aplausos da primavera.


                                                     Segunda Glosa


“No terceiro dia houve um casamento em Caná da Galiléia.A mãe de Jesus lá estava, e também Jesus com seus discípulos.Em Caná da Galiléia Jesus realizou seu primeiro milagre”.

(João 2,1-11).


              Dizeis milagre, e milagre
              foi o que as águas ficaram,

              um milagre que nasceu
              das lágrimas antecipadas

              de Maria, ao pé da Cruz.
              Dizeis milagre, e milagre

              foi as águas se encantarem
              e de águas que até então

              serviam para abluções,
              se converterem em vinho.

              Dizeis milagre, e o milagre
              aconteceu quando as talhas

              obedeceram à Água
              a quem a Samaritana

              queria negar seu balde.
              Dizeis milagre, e milagre

              é o coração que o batismo
              transforma em líquido azul

              de uma nova conversão,
              da qual nasce o cristão com ela.

              Dizeis milagre, e milagre
              é a Virgem que diz ao Filho:

              “Eles já não têm mais vinho!”
              E o vinho irrompe do peito

              de seu Filho transpassado!
              Dizeis milagre, e milagre

              é tudo o que no Universo
              começa na mão do homem,

              e termina no delírio
              da imaginação de Deus.

                               Terceira Glosa


              “Havia um homem entre os fariseus chamado Nicodemos, que era um chefe dos judeus. Jesus disse a Nicodemos: “O vento sopra onde quer; ouves o seu ruído, mas não sabes donde ele vem nem para onde ele vai. Assim acontece também com aquele que nasce do Espírito.”

(João 3, 1-21).

              Ó criatura, em ti sopra
              o vento que é tua alma,

              e ela, sendo vento vivo,
              te leva aos confins do mundo.

              És vento quando tu amas,
              mais vento quando tu odeias,

              vento-vento quando dormes,
              vento-vento quando sonhas.

              Vento de dinheiro e glória,
              vento quando em tua cama

              te abraças a outro vento!
              Vento, até, quando outro vento

              nasce de teu sêmen! Vento
              na mulher que te enfeitiça,

              e na criança que guarda
              no seu semblante a doçura

              do vento que nela é
              brisa feliz do Criador!

              Terás de nascer de novo
              para amanhã ressurgires.

              Não hás de voltar ao seio
              da mulher que te aleitou,

              nem da mulher que tu amas
              como a ti mesmo, e até mais.

              Hás de abandonar-te ao seio
              maior do Cosmos, e assim,

              ao expirares, de vento
              que tu eras, te tornarás

              vento que ficou perdido
              nos sorvedouros da história..

              Só depois de desfazer-se
              o vento que foste, terás

              outro sopro nas narinas.
              Ressuscitado, sorrirás

              de tua mobilidade,
              e amarás tua mulher,

              os teus filhos, teu cachorro
              noutro estado que será

              o de uma Vida que nunca
              sonhou tua filosofia.

              A felicidade, enfim,
              dir-te-á: Não és mais vento,

              és agora o que há no Espírito
              passível de transmissão

              à criatura - plenitude
              que o sexo nos seus enleios

              talvez haja vislumbrado.
              Possuirás, pobre mortal,

              a certeza de que valeu
              a pena deixar este mundo

              por outro mundo sem sexo,
              onde a vida é exclusiva

              e interminável razão
              de ser, e de subsistir.

              Serás então ilimitado
              em ti, nos outros, em Deus!


Quarta Glosa


“ Na viagem, Jesus tinha de atravessar a Samaria. Chegou então a Sicar, perto do terreno que o Patriarca Jacó dera a seu filho José. Ali estava o Poço de Jacó. Nisto chegou uma mulher amaritana
que ia tirar água do poço, Jesus pediu-lhe de beber”.

(João 4, 1-30).


              - Dá-me de beber, mulher!
              pediu Jesus, de repente,

              a uma desconhecida,
              junto ao Poço de Jacó.

              A mulher ficou atônita
              com o pedido cortês

              do judeu à sua frente,
              a quem queria recusar.

              Como se a sede de um homem
              se arredondasse no balde

              de uma etnia desprezada!
              como se a boca pudesse

              saturar-se pelo ódio
              na tristeza de um conflito;

              como se a língua pudesse
              falar, sem nadar à tona

              da saliva que lhe vinha
              da primeira nuvem do mundo

              quando o Espírito de Deus
              pairava na imensidão

              do mar escuro do Nada.
              Como se o Salvador não fosse

              a Água Viva, enfrentando
              os olhos aveludados

              de uma fêmea que tivera
              cinco maridos, e o atual

              lhe viera como um acréscimo.
              Como se ela não imaginasse

              beber um copo de água,
              e não ter sede jamais.

              Enfim, como se a água fosse
              um acessório do abraço

              da volúpia ao derramar-se
              pelo corpo intumescido.

              - Dá-me de beber, mulher!
              disse Jesus. E a mulher

              entendeu que já havia
              água para todos os amores.


Quinta Glosa


“Disse-lhe Jesus: Vocês só acreditam quando vêem coisas extraordinárias e milagres. O funcionário pediu-lhe uma vez mais: - Vem depressa antes que meu filho morra. Disse-lhe então Jesus: - Volta para tua casa, o teu filho já está salvo”.

(João 4,43-54).


              Milagres! Milagres pedimos
              e à medida que eles surgem

              mais os pedimos, porque
              não sabemos mais o que

              pode ser milagre, Senhor,
              na cesta básica da ilusão.

              Milagres, milagres pedimos,
              como se a espiga de trigo

              que brota da terra, e traz
              em si seu próprio milagre,

              não fosse letra dourada
              que quer voltar ao alfabeto.

              Milagres, milagres pedimos!
              E em quantos milagres mais

              nossos tristes pés tropeçam...
              Milagres já achamos,

              Onde mais os deparamos:
              nos leões, grilos, e cravos.

              Milagres, Senhor, pedimos,
              e nossa gula de encantos

              se enfastia na gastronomia
              das iguarias que dais

              aos vossos filhos na mesa,
              e na explosão da Eucaristia!

              Milagres – oh qual prodígio
              queremos, ainda, Senhor,

              pois dormimos com as belas
              e delas no amor extraímos

              as acrobacias da carne,
              e as erupções da ternura.

              Milagres, milagres pedimos
              com opulenta insensatez

              até quando o amor cavalga
              estrelas, e lhes pedimos

              o languor de nossos membros,
              que se desmancham no pó.

              Se arremessamos um míssil
              aos planetas que se exilaram,

              neles plantamos robôs
              vestidos com nosso brim..

              Milagres, milagres pedimos
              até que o milagre maior

              de nossa morte, ou destino,
              nos faça descer do palco,

              da perecível ribalta
              onde riem de nós os mortos!

              Milagres? Silêncio, ó homens:
              a que servirão prodígios

              se não olhais para os currais,
              para os átomos, para os vírus,

              a não ser achando neles
              vossas ações, vossas bolsas

              em que pesais o sangue alheio?
              Vós dizeis: “a Bolsa ou a Vida”,

              mas que vida é esta que perde
              a bengala, e vossas jóias,

              deixando-vos na lixeira
              de uma sociedade cúpida

              que se julga a Via Láctea?
              Milagres, milagres pedimos,

              nós ,mendigos de Lutero,
              nós, leprosos de Francisco!

              Tentamos salvar nossa pele
              apenas quando ela flameja

              sob os fogos da paixão.
              Respondereis ao desafio

              de nossas súplicas ocas
              quando o câncer nos abater

              como a um cavalo que salta,
              porque não corre por ele

              o milionário que o comprou?
              Vós, o grande Compassivo,

              fitais a nossa impotência
              que não se emenda ou corrige

              nem se a sufoca um tufão.
              Dizeis ao pai da criança:

              “Eu irei e a curarei!
              Ouvimos vossa Palavra,

              escutamos a viração
              que Vos traz a nossos ouvidos.

              Porém: onde está (perguntais)
              vossa lucidez de nadas

              que aprenderam a ser bípedes?
              Compassivo sempre sois,

              e misericordioso sereis.
              Urge que a criatura aprenda

              convosco as letras e ofícios
              dos irmãos irracionais.

              Milagres, milagres pedimos,
              vociferando no mundo

              como se dois metros de corpo
              e uma alma corpuscular

              nos dessem promessas de vida
              para toda a eternidade...

              Tende piedade de nós,
              Senhor Jesus, que no passado

              armastes a vossa tenda
              no ventre de uma judia!

              Habitastes entre os lírios
              e as andorinhas migrantes:

              eis os milagres que amais,
              porque vossa mão não cessa

              de escrever estrelas na noite,
              e produzir sapos nos charcos.

              Milagres são elas e eles
              quando coruscam e coaxam.

              Milagres, milagres pedimos
              até que venha o milagre

              de nossa original penúria
              restituir-nos às cinzas.

              Das cinzas da cremação
              sairá nossa ressurreição.

              Dela, Senhor, bem sabeis,
              virão novos céus e terras,

              porque o mundo em que vivemos
              recriado será ab-ovo,

              e a vossa Hominização
              remoldará a ecologia.

              Amém! Amém! Cantaremos,
              e diremos com regozijo:

              -Já passou o Apocalipse!
              Com ele , nossa loucura,

              a que, nos inícios do Gênesis,
              quis fazer-nos vossos rivais!

              É esse o milagre que nós
              não esperamos, e que espera

              por nós na curva astuciosa
              de uma rosa que se abre,

              e que nos hospedará
              na sua corola de luz.

              Adeus aos milagres, direis!
              Adeus, descrentes nativos,

               insubmissos primitivos
              de uma nova Criação!

              Milagres pedistes? Ei-los,
              já não podeis mais pedi-los.

Sexta Glosa



“Começou a soprar um vento forte e o lago a agitar-se. Os discípulos tinham avançado uns quatro ou cinco quilômetros. De repente viram Jesus que se aproximava do barco, caminhando sobre as águas, e tiveram medo. Mas Jesus disse-lhes: - Sou eu, não tenham medo”.

(João 6,16-21).


       Caminhasteis sobre as águas!
       Como tardamos, Senhor,

       a desatar o nó branco
       de vosso vôo sobre as ondas.

       Somos néscios, somos lentos
       para crer, e somos faltos

       de inteligência. Nossos olhos
       que deveriam vasculhar

       os píncaros dos abismos
       e o profundo das montanhas,

       carregam no seu bornal
       visões amarelecidas

       de folhas que velhos plátanos
       arremessam aos nossos pés.

       Caminhasteis sobre as águas.
       Que águas seriam elas

       senão as águas que sucederam
       às santas águas primordiais?

       Caminhasteis sobre as lágrimas!
       Sobre as lágrimas de Adão,

       sobre as lágrimas de Eva,
       sobre as lágrimas de Pedro

       (depois que o galo cantou),
       sobre as lágrimas de Mônica,

       sobre as lágrimas de Madalena,
       sobre as lágrimas de David,

       sobre as lágrimas dos delinqüentes,
       e sobre as lágrimas ainda quentes

       de milhões de mães aflitas,
       de milhões de pais ausentes,

       sobre as lágrimas sem sal
       dos guetos ensangüentados...

       Caminhasteis sobre as águas!
       Que ridículo cismarem

       que em vós vivia um Fantasma!
       Que ridículo julgarem

       que estáveis interessado
       em sepultá-los no Inferno!

       Caminhasteis sobre as águas!
       Sobre nossas águas, também

       as que o gelo endureceu,
       as que se fizeram repuxos

       de naufrágio ou de granizo;
       sobre todas as águas más

       que assassinaram os peixes,
       e enegreceram as pérolas!

       Caminhasteis sobre as águas
       de nossos prantos secretos,

       de nossos sonhos abjetos,
       de nossos bordéis regados

       a champanhe e destilados!
       E nós? De olhos nublados,

       não Vos vemos sequer de dia!
       Os homens, Senhor, têm medo

       de vosso poder infinito,
       mas medo maior eles têm

       de vosso misterioso grito
       que excita vossos corcéis

       com os gritos dos oprimidos.
       Os homens sentem temor

       de tudo que vós lhes dais,
       até das lágrimas que chorais

       ao pé de túmulos amigos,
       como se lágrimas tais

       fossem desculpa fingida
       de não serdes onipotente!

       Caminhasteis sobre as águas,
       e quando dizeis: “Sou eu!

       insistindo: “Não temais!”,
       mais ainda se revoltam,

       e torcem as mãos, irritados
       como escravos que roubaram

       a taça e o vinho do amo.
       Pobres de nós! Nós choramos,

       ou não choramos, mas sempre
       choramos sobre seios amados,

       e mais tarde, desamados;
       sobre cabelos ungidos

       por ungüentos e perfumes.
       Mas quando a beleza é muita,

       nossa incurável sandice
       se inclina diante do belo,
     
       como o piar de uma ave,
       ou o resmungo de um camelo!

       Caminhasteis sobre as águas
       no Lago de Tiberíades,

       e caminhais à noitinha
       em qualquer das megalópoles

       porque sempre há alguém que chora,
       e quem chora a sós é bendito!

       Caminhais, Senhor, ainda
       sobre as lágrimas anônimas

       de mulheres desdenhadas,
       especialmente, daquelas,

       que sendo belas e ativas,
       são suficientemente altivas

       para verterem seu pranto
       deixando que seus encantos

       lhes inflamem mais os corpos!
       Caminhais sobre os soluços

       de vossos santos pastores
       que desaprenderam a amar.

       Chorais, também, os cientistas!
       Mas quando as lágrimas destes,

       caem, como caem suas hipóteses,
       recusais subir em suas naves,

       já que chegado estais
       ao mar, sobre o qual queriam

       navegar porque é preciso.
       Senhor, pelos vossos passos
           
       sobre os prantos da humanidade,
       dai-nos não chorar, no dia

       em que enxugareis as lágrimas
       da história falaz e fria,

       das lágrimas que não nasceram
       porque vossa luz lavou

       as pupilas dos sofredores
       que completam o que faltou

       (meu Deus! meu Deus, quem diria!)–
       à vossa Paixão e Morte!

       Mas nada faltou, Senhor,
       que já andastes sobre lágrimas,

       do nascer á Ressurreição
       que foi evento sem água.

       - Criaturas, despertai!
       Fostes vós que adormecestes

       quando Cristo sonhou, dormindo
       dentro de um barco na Galiléia.

Sétima Glosa



“Eu sou o pão da vida: Aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim não terá sede.
Vossos pais no deserto comeram o maná, e morreram. Este é o pão que desceu do céu, para que não morra aquele que dele comer. Quem comer deste pão viverá eternamente”.

(João 6,22-59).


       Entre a espiga e o pão
       move-se a história do mundo.

       Entre a espiga e o pão
       esfarelam-se os milênios;

       entre a espiga e o pão
       a Palavra, que preexistia

       ao fermento, fica pão,
       e como pão sobe aos lábios;

       entre a espiga e o pão
       a vida, a rir, se intromete.

       Pode a palavra existir
       sem o pão que a suporta?

       Pode a palavra suprir
       o que na boca lhe míngua?

       Pode a palavra ser som
       sem o pão que a junge à vida,

       sem a vida que lhe dá
       o sentido que a contrapõe

       ao absurdo? Sem o pão
       e sem a palavra, que resta

       à criatura que recebeu
       o último sopro do Criador?

       Sem pão a boca emudece,
       sem palavra o pão falece.

       Entre o pão e a vida existe
       o mesmo laço que ata

a vida ao seu destino,
e a morte à sua traição.

Se comerdes deste Pão
vossa vida saltará

o abismo que não a deixa
mentir à respiração.

É o pão no seu limite
que torna a vida extensível,

e lhe põe aos ombros a força
de atingir a perfeição,

na outra face da vida.
É então que nos dareis

um pão que já não depende
do trigo que foi triturado,

mas do trigo que amadureceu
dentro do sangue, Senhor!

Dai-nos sempre deste pão!
Dai-nos o pão que nos nutre

da verdade que não é
o ruído que tilinta,

mas a luz que resplandece
aquecendo ninhos e berços.

Concedei-nos o pão da vida
que Vós mesmo cozinhais

no forno de vossas chagas,
e que no fim é cozido

sob a pedra do sepulcro.
Dai-nos o Pão que não é

pão dormido,mas o pão
que desperta pela fé.

Dai-nos o pão cuja farinha
se mói dentro das veias,

e que o fermento restaura
com a mão que se abandona

a outra mão. Dai-nos, Senhor,
o pão que os homens , ao comê-lo,

se obrigam a perdoar
a si mesmos, aos seus irmãos,

e às próprias coisas da terra.
Quem comer do Vosso pão

nunca mais há de morrer,
porque o pão que Vós nos dais

é pão de seres corporais,
feito de farinha nova,

de uma farinha guardada
nos porões do desespero

onde a humanidade geme.
O pão da vida, Senhor,

sois Vós, nascido de uma m0ulher,
que um dia nos há de livrar

de nossa incurável ilha,
triste ilha de Crusoé.

Oitava Glosa


“ Os doutores da Lei e os fariseus levaram-lhe uma mulher apanhada em adultério. Disseram a Jesus: 
- Mestre, Moisés na lei mandou-nos apedrejar tais mulheres. Tu que dizes?
Jesus inclinou-se e começou a escrever no chão com o dedo. Como continuassem a interrogá-lo, levantou-se e disse-lhes:
- Aquele de vós que nunca pecou, atire-lhe a primeira pedra.
Depois perguntou à mulher:
- Ninguém te condenou? Nem eu te condeno. Vai, e não tornes a pecar”.

(João 8, 1-11).


O que escrevestes, Senhor,
com o dedo sobre o chão

se na terra em que pisamos
se amontoam nossas culpas?

O que escrevestes, Senhor,
se a superfície do chão

é um horrível palimpsesto
onde as culpas de uns e outros,

desde Adão, se dão as mãos?
O que escrevestes no chão

se nele, a par das camadas
geológicas, outras camadas

se sucedem desde o Dilúvio?
O que escrevestes, Senhor,

sobre as vias poeirentas
de vossa terra natal

se também David pecou
dormindo com Betsabé?

Se a Salomão, seu harém,
lhe oferecia mulheres

como as floristas oferecem
ramalhetes aos adúlteros?

Escrevestes, por acaso
nomes de alguns fariseus,

e na areia que sobrava
os nomes dos responsáveis

por nossas culpas atuais?
Escrevestes neste solo

em que nossos pés afagam
a miséria de nossos anseios?

Escrevestes nosso orgulho,
nossa pseudo-onipotência

que ousa comparar-se à vossa?
Quando, porém, vos erguestes

do solo em que escrevíeis,
fitastes a mulher que diante

de vós os olhos baixava.
Que lhe dissestes, Senhor?

“Ninguém te condenou, mulher?
Nem eu te condeno! Vai,

e não peques nunca mais!”
Dizei-nos, outra vez, Senhor,

tais palavras que derrubam
os muros de Jericó,

e os muros de nosso terror.
Vosso perdão é mais amplo

e estupendo que a Criação
que levantou o Universo

com a alavanca do amor.
Vosso perdão recria o mundo,

e o converte numa clara
reedição de vossos desígnios:



“Faça-se a luz, e a luz foi feita!”
A cada perdão que dais

os seis dias se renovam,
e no sétimo não descansais

porque abraçais os Filhos Pródigos!
As noventa e nove ovelhas

podem entediar-se no aprisco,
mas Vós jamais! Outras ovelhas

aguardam-vos nos aeroportos,
nas estações de metrô,

ou num banco de pracinha
de subúrbio ,onde uma jovem

perdida na solidão
se entrega a outra solidão.

Senhor, que sois bom e amais
os bichos que nos acompanham,

prossegui na vossa escrita,
não nas areias judaicas,

mas na areia digital
de nossos computadores.

Ali mais altas malícias
se tramam com o dinheiro.

Se vosso dedo se ocupa
com o governo da História,

e já não traçais na areia
nossos nomes, escrevei

com vossos astros no céu
os nomes de alguns fiéis,

entre os quais o dessa adúltera
que perdoastes outrora,

e que na glória intercede
por nós que nos escondemos

da culpa, e nem mais sabemos
se somos imagens vossas,

bufões em si asilados,
ou vossos infelizes álibis.

Nona Glosa



“Jesus entrou na casa onde os discípulos estavam, e pôs-se no meio deles. Chamou Tomé, e disse-lhe:
- Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos. Estende a tua mão e mete-a no meu peito. Não sejas descrente!
Tomé respondeu:
Meu Senhor e meu Deus!
Jesus disse-lhe:
Acreditas porque me viste? Felizes os que acreditarem sem terem visto”.

(João 20, 24-29).


Como faremos, Senhor,
para crer sem termos visto?

Viestes ao mundo, tomastes
a carne de um ventre puro,

e vos subtraístes ao sexo,
não vos subtraindo ao sangue.

Deixastes o sexo aos homens,
mas, como homem, o evitastes,

ainda que vosso corpo
o conserve no Paraíso.

Que lição com isso destes,
pois que vossa Mãe que o tinha

também não o usou jamais.
E, no entanto, sexuados

ambos sois, e sempre sereis
nos resplendores dos céus.

Vossos corpos são corpos novos
são corpos ressuscitados,

e a esse estado convidais
nossos corpos nunca saciados.

Abramos os olhos, irmãos:
no reino da luz perpétua

a distinção permanece
entre macho e entre fêmea,

mas a carne que os unia
e também os incendiava,

não subsistirá porque
no Reino dos Céus haverá

corpos de machos e fêmeas,
mas não haverá a distância

que estabelece milímetros
entre os corpos que se dão.

Por isso, talvez, quisestes
que o Apóstolo Tomé

duvidasse de vosso poder,
e ousasse com afoiteza

experimentar-vosso Corpo,
que ficou sob as aparências

do pão e do vinho no altar.
Tomé pôs o dedo nas chagas

que conserváveis no corpo,
e meteu a sua mão

na vossa ferida do peito.
Disse-vos ele: “Meu Senhor

e meu Deus”! Mesmo assim
não o chamastes feliz.

Feliz o sagrastes apenas
quando vós lhe censurastes

a falta de fé em Vós.
Agora me viste, Tomé!

E que importa que me visses,
que palpasses o meu corpo,

se nesse corpo eu estou,
mas minha Divina Presença

nele não se sensibiliza?
Crê, e deixa teus sentidos

seguirem o seu caminho!
Jamais poderão eles,

mesmo ressurgidos, tocarem
minha natureza divina.

Crê, porque na Ressurreição,
onde serei visto e aproximado,

não podereis com a matéria
tocar a minha matéria.

Sereis de outra realidade,
de um outro real surgido

de minha transfiguração.
Nem Madalena, me vendo,

me viu como eu era antes!
Pensou que eu era um jardineiro!

Ó Tomé, a fé te salva
na medida em que tu creres

que eu sou Aquele que era,
e que sempre háverá de ser,

embora neste mundo, um dia,
eu, vosso Criador, parecia

que fosse de todo tangível.
É certo que o fui, mas crede

que sempre estive com o Pai
e com o Espírito Santo.

Na medida em que vós credes,
podereis me ver na terra

como eu sempre fui, e serei,
embora às vezes meu corpo

parecesse estar à mão.
Não que eu fosse alheio ao homem,

e homem deixasse de ser!
Mas uma coisa é ser homem

como vós o sois, e ser
um Homem-Deus como fui.

Na Vida Eterna, Tomé,
desaparecerá a fé,

e a esperança - a menina
que vos impôs nova infância -

também desaparecerá.
Só ficará sempre nova,

qual criatura radiosa,
a Caridade, na qual,

me abraçareis, e com ela
vos abraçareis entre vós.

Compreendei, se a tanto chega
vossa Eternidade feliz:

minha natureza humana
será sempre unida à Luz

de minha Pessoa Divina.
É por ela que me vereis

mais homem do que me vistes
quando acariciava as crianças

e enchia as talhas de vinho
a pedido de minha mãe.

O banquete da vida eterna
terá outro vinho mais forte,

porque será vinho capaz
de vencer a própria morte!

Participareis da Vida
de meu primeiro esplendor

na Trindade onde sempre estive.
Lembrai-vos de que sereis

novas criaturas, e que a elas
novos céus se juntarão

e novas terras também.
Nada é impossível a Deus.

Eu sou com meu Pai Eterno
e com o Espíirito Santo,

o mesmo Criador do Gênesis.
Preparai-vos, não para o tédio,

contra o qual não há remédio
neste mundo em que habitais.

O tédio cederá, Tomé,
a outra forma de ser,

e ele será esmagado
pelo meu poder divino.

Tudo me é possível, Tomé,
com minha Ressurreição!

Se vossas lágrimas, um dia,
serão para sempre enxugadas,

sabei que vossos sentidos
também serão super-sentidos,

e os gozos que então tereis
não serão gozos carnais,

mas gozos de nova carne
gozos de almas divinizadas.

Preparai-vos para as surpresas
impossíveis que vos prometi.

Tomé, abre bem os olhos,
abre o coração, e o corpo,

para o que todos os homens
ressurgidos receberão

como coroa final:
a possibilidade de serem

o que nunca imaginaram,
felizes, como se Deus

deixasse de ser Deus, e fosse
criatura de si mesmo.


Décima Glosa


Maria conservava-se ainda do lado de fora, perto do sepulcro, e chorava. Chorando, inclinou-se para olhar dentro do sepulcro. Viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus. Perguntaram os anjos:
- Senhora, porque choras?
Ela respondeu:
- Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. Ditas estas palavras, voltou-se para trás,
e viu Jesus em pé, mas não o reconheceu. Perguntou-lhe Jesus:
- Senhora, por que choras?
Supondo ela que fosse o jardineiro, respondeu:
- Senhor, se tu o tiraste, diz-me onde o puseste, e eu irei buscá-lo. Disse-lhe Jesus:
- Maria! Voltando-se ela, exclamou em hebraico: “Rabboni!”(que quer dizer: Mestre). Disse-lhe Jesus:
- Não me toques porque ainda não subi a meu Pai...

(Evangelho de São João, cap. 20, 1-17).

Rabi, como não tocar-Vos
se estais oculto no pão,

se flutuais sobre o vinho
como outrora sobre as águas?

Se estais sempre acompanhado,
e, o que é mais, acompanhais?

Se tocamos no visível
no apalpável, e vos subtraís

às retinas pretensiosas,
e às mãos que são luxuriosas?

Como não tocar-vos, Mestre,
se ressuscitais, saindo

do sepulcro, como sai
de um casulo a borboleta,

de uma noite escura a estrela?
Como sai de um ventre a vida,

como irrompe de uma noz
a amêndoa ali escondida?

Senhor, queremos tocar-Vos,
mas Vós no-lo proibis,

e dizeis que é feliz
quem não toca, nem enxerga?

Se não Vos tocamos na carne,
deixai-vos, então tocar

na vossa alma que esteve triste
no Jardim das Oliveiras.

Deixai-vos tocar no pobre,
nos que não têm vestuário,

e muito menos salário!
Deixai-Vos tocar em tudo

que é mortal, e perigoso,
e não tem couraça e espada,

mas tão só sabor de nada!
Deixai-Vos, Senhor, tocar

aonde o bisturi não chega,
nas doenças infecciosas.

nas barracas tenebrosas
dos que gemem e se drogam!

Senhor, que ressuscitastes,
retomando vosso corpo,

como um atleta que sai
de seu leito para a corrida,

permiti que vos toquemos
no silêncio que vos circunda

a cabeça, e na doçura
com que, anônimo, palmilhais

os corredores dos hospitais!
Permiti que vos toquemos

onde a depressão rumina
dentro de um ubre sem leite,

onde o ódio não se cansa
dentro de um odre sem vinho,

onde a cobiça se exibe
dentro de um hotel sem hóspedes!

Senhor bendito, autorizai
que vos toquemos nas ruas,

nos bordéis onde também estais
por procuração, nas fêmeas

que às vezes forçam as portas
de vossos céus - onde estão

vossos apóstolos e mártires!
Permiti que vos toquemos

onde nada mais se escuta
nem se sente, nem se aspira,

onde a razão se extravia
e come ervas, como outrora

as comia no seu palácio
o rei Nabucodonosor.

É estranho, Senhor, que negueis
a Madalena o que não negastes

a Herodes que vos vestiu
com um manto de cor vermelha!

Nem o negastes a Pilatos
que vos expôs à multidão!

Madalena só pretendia
beijar vossos pés ungidos

quando, diante de convidados,
quebrou um vaso de perfumes.

Queria, sem sensualidade,
ter nas mãos uma certeza

de que não a abandonaríeis!
Por que lhe negastes o toque

da vossa Ressurreição,
se há de chegar o dia

em que ele será concedido
aos que partiram o pão,

e a todos que o partilhamos
num mundo onde ele é parco?

Tocaremos, então, Senhor,
vossas mãos com nossas mãos,

e nesse instante, talvez
toda vossa humanidade

será tão vizinha a nós
que seja possível beijar-vos,

como se beija o progenitor,
um amigo, ou uma amiga,

já que amigos nos chamastes!
Recobrando vossos sentidos

noutro estado fenomenal,
permiti que vos toquemos

como ao Salvador que vem,
e nos toca, mais uma vez,

para que nunca mais nos atinja
o terrível aguilhão da morte.



Primeira Glosa ao Evangelho de São Mateus


Ao ver a multidão, Jesus subiu à montanha. Sentou-se ali, e os discípulos
aproximaram-se dele. Jesus os ensinava dizendo:
- Bem-aventurados os que têm coração de pobre porque deles é o reino dos céus! Bem-aventurados os que choram porque serão consolados! Bem-aventurados os mansos, os que têm fome e sede de justiça, os corações puros, os pacíficos, os perseguidos por causa da justiça, os misericordiosos!

(Mateus 5,1-11).


Tais coisas nos ensinastes,
Senhor das coisas invisíveis!

Tais coisas, Senhor, alheias
ao coração das criaturas.

Tais coisas nos ensinastes,
e para ensiná-las, sentastes

sobre a relva. Para ensinar-nos
a amar o que é inferior,

a luz a salvo das unhas
de pretensiosas pupilas.

Ensinastes-nos o absurdo
- não o absurdo que revolta

nossas mentes e corações
ao lhes evocar a morte -

mas o absurdo que golpeia
o luxo, a fama, o poder.

Bem-aventurados chamais
aos corações suplicantes,

bem-aventurados aqueles
cujas mãos desamparadas

ficam abertas ao vento!
Bem-aventurados dizeis

os que por sua nulidade
nunca se fecham em si,

nunca erguem as cabeças
contra o sol ou contra a lua,

mas exibem sua nudez
diante de vossa presença.

Bem-aventurados os pobres
que, por não terem outra coisa,

são eles mesmos suas dádivas,
eles mesmos seus tesouros!

Chamastes bem-aventurados
aos que choram, aos que derramam

seus prantos no solo árido,
garantindo o orvalho fértil

às flores, aos grãos, aos frutos.
Seu pranto madrugador

irriga rios, lagos, e mares,
e com sua limpidez nativa

cobre de suor as frontes
dos que inventam o progresso.

As lágrimas dos justos, Senhor,
fertilizam os desertos,

e por elas os trigais,
e as videiras de nossas encostas

que produzem nosso vinho.
À sua sombra descansais,

Pois uma lágrima nasce
onde alguma coisa de puro

se engendra em nosso planeta.
Bem-aventurados os que choram,

e não permitem que os homens
oprimam seus semelhantes.

Eles serão consolados,
- falais dos que choram muito -

porque é justo que vos lembreis
de ter chorado em Betânia

quando Lázaro apodrecia.
E quando Lázaro veio

ao vosso encontro, lhe destes
uma pele de menino,

e um rosto tão refulgente
que homem jamais o teve,

um rosto no qual o sol
de vosso rosto dignou-se

espelhar-se uma só vez.
No futuro, vosso rosto

se espelhará, também, no nosso
quando nossas tristes lágrimas

deixarem de ser de sal,
sal que dobrou seu sabor

nas gotas da dor sentida
por algum irmão menor.

Chamai-nos, Senhor, felizes
quando possuirmos a terra

como quem possui o chão
que é de todos, e de ninguém.

Felizes quando o universo
se encolher, e nele a luz

dos astros, e o trovejar
dos oceanos inquietos

forem tesouro gerais
de ofendidos e humilhados.

Possuiremos juntos a terra
sem as soberbas escrituras

que conferem a posse do alheio.
aos que vos furtam o mundo.

Possuiremos as aves dos céus
e os lírios do campo, sempre

quando o homem tiver seu pão,
e cada coração um bocado

do amor em que se ramificou
o sol de vossa bondade.

Dizei-nos bem-aventurados,
quando padecermos fome

e imensa sede de justiça,
não da justiça que cabe

na concha de mãos rapaces,
mas a justiça que dança

na espiga que se oferece
à trituração do moinho.

Justiça de fonte que ousa
beijar os lábios de quem

tem sede apenas de Vós
e, para animar sua mágoa,

aceita na boca vazia
uma migalha da vossa.

Unindo vossa justiça
à misericórdia concedei

que o mundo zombe de si.
Bem-aventurados seremos,

quando alcançarmos misericórdia
não só porque nosso ombro

se cola ao do irmão, mas antes
porque com ele se dobra.

Bem-aventurados seremos,
conforme vossa lição

quando nossa falta de tudo
nos tornar necessitados

das crianças, dos enfermos,
dos exilados, e loucos

que vivendo ao nosso lado
nada mais têm do que nós.

Nesse momento, Senhor,
nossos corações se alçarão

a uma altura em que tocaremos
o único tato que tendes

que é o amor com seus mil dedos.
Lembrai-vos, Senhor, que nós

somos pó, e ao pó tornamos.
Deixai-nos, pois, ser perseguidos

pela vossa Onipresença,
para que na perseguição

vossa ternura nos toque.
E descubramos, atônitos,

o que temos de Vós em nós.
Em vossa carne nos salvaremos,

visto que vossa humanidade
nos legou uma doçura

da qual só provamos o gosto
no rubor de vossa Paixão.

Sabemos que a felicidade,
que pode existir no mundo,

não é outra senão aquela
que iluminou vosso rosto

em Belém, onde vos revelastes
bendito fruto de uma Mulher.

Segunda Glosa ao Evangelho de São Mateus


“Desde a hora sexta até à hora nona, cobriu-se a terra de trevas. Próximo da hora nona, Jesus exclamou com voz forte:
- Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”

(Mateus 27, 45-46).

Vosso grito ainda ressoa,
nos vales sombrios da morte!

Seria grito de homem?
Ou de Pessoa Divina?

Seria grito de garganta
obstruída pela carne,

ou de corpo a remirar-se
na face turva do Abismo?

Meu Deus, meu Deus – vós clamastes
quando os homens vos crucificavam,

e só vos restava ser
uma só carne com eles.

Não implorastes o Altíssimo,
mas ao Pai vos dirigistes

como se já não pudésseis
ser o Senhor do mundo!

Quisestes, por um momento,
exilar-vos da Onipotência.

Quisestes que Vos descobrissem
como o mais tristes dos homens.

Quisestes, enfim, desesperar
para que fôssemos curados

de todo desespero possível.
Oh! Vosso grito há de ecoar

nas paredes deste mundo
até que a história se acabe.

Gravado, sempre, estará
a sangue nos crematórios.

Não foi desespero, o vosso,
de Jó na sua desgraça:

foi grito de criatura!
Ou, se desespero foi,

foi desespero de Cordeiro
que carrega as culpas do mundo.

À razão humana não cabe
quebrar a noz que contém

o Mistério de vossa Paixão.
Suplícios e dores virão

com coroas de espinhos maiores
que os de vossa coroa trançada.

Vosso grito continuará,
como os braços de Sansão,

a abalar as colunas firmes
dos templos da fé cristã.

Ao ouvir o vosso grito,
os grandes apalparão

o seu pó, e os pequeninos
em vossos lábios sem cor

beberão suas certezas,
colhendo neles um pouco

de consolação e paz.
Também eles repetirão

vosso clamor – como se
agarrassem uma tábua solta

de um navio que naufragou.
Vós, porém, não naufragastes

em vossa Ressurreição.
Vosso brado naquela tarde

foi concessão à nossa
fragílima corporeidade,

e talvez, também, à vossa.
Senhor, que não recusastes

beber o cálice da amargura,
socorrei as criaturas

já sem lágrimas nas cisternas
de suas almas desoladas,

as quais, por vezes, vos rogam
que as dispenseis da existência,

tanto a tristeza parece
tê-las levado aos recifes

de uma dor insuportável!
Permiti que imitemos

vosso clamor de Filho Amado,
dizendo em nossos abismos:

- Meu Deus, meu Deus, por que
nos abandonastes, a nós,

criaturas vindas do pó
- ao pó ao qual tornaremos?

Um Anjo nos diz, é verdade:
“Nunca sereis abandonados

por quem deu a sua morte,
aos que a queriam, mas só

quando a quis, não obrigado!
Sim, nós cremos que prometestes

ressuscitar-nos também!
Seja-nos, pois, permitido

reiterar o vosso grito.
Só não o repetiremos

na hora final, em que
sairmos de nossa existência,

e estivermos para entrar
no vosso gozo, Senhor!

Nessa hora vos indagaremos:
- Senhor, por que nos transportais

onde tudo é volúpia,
não volúpia de brasas mortas,

mas volúpia de Sarça Ardente,
volúpia de amigos do esposo

que já não estão no espaço,
nem no tempo que nos devora!

Sonhamos participar
da Comunhão onde estais,

e onde sempre permanecestes,
na Comunhão da Trindade

cujo Amor é imensa Rosa,
à qual não são necessárias

outras pétalas, porque o amor,
que sempre existiu em vós,

se abriu em novos amores.
Este amor fará de nós

um só ramalhete de vidas
semelhantes à vossa Vida.

Vosso grito já não será
aos ímpios pedra de escândalo,

mas grito de Povo salvo.
Ali sempre existirão

sussurros de corpos saciados,
e de almas que, à semelhança

de abelhas, voam e esvoaçam
em torno do mel suavíssimo

de vosso Nome Santíssimo,
de vosso Nome, Jesus!


Glosa ao Evangelho de São Marcos


“Dizia-lhes Jesus: saiu o semeador a semear a sua semente. Uma parte caiu à beira do caminho,
e as aves a comeram; outra parte caiu no pedregulho, e o grão, por falta de umidade,
não germinou; outra parte caiu entre espinhos, e os espinhos a sufocaram; outra parte caiu em terra boa, e deu muito fruto .

(Marcos 4,3-8).


Senhor, também semeastes
a vossa semente, tendo

um pouco ou muito de sorte,
conforme no chão ela caía.

Sim, a semente ia caindo
como caem nossas vontades

na terra de nosso andar.
Ia caindo a semente

e nem sempre ela caía
onde vossa mão queria.

Ou era vossa mão que errava,
e a mandava aonde não podia

crescer por sua natureza?
Mistério grande, Senhor,

esse de vosso semear.
Semeáveis com fantasia,

e com pouca agronomia
já que lançáveis o grão

onde os caminhos se abriam
aos passos dos andarilhos.

Poderia a semente crescer
onde tais pés se moviam?

Pés de muitos homens, Senhor,
são mais perdidos que as patas,

e as garras dos animais.
Por que, então, vós semeáveis

a vossa semente boa
onde ela boa não ficava?

Por que exigíeis dela
o que a ela não pertencia?

Não é de bom semeador
distrair-se no obrar consigo,

e semear a sua semente
fora do chão combinado.

No entanto, a semeáveis,
e ela caía na direção

que lhe dáveis, como se fosse
bom a vós, Senhor, falhar!

Acudiram as aves do céu
e comeram a semente.

Talvez, Senhor, fosse suspeito
o desejo do semeador?

Onde, pois, o vosso tino,
se o tínheis? Apenas se viu

a mão menos aproximada
da inteligência, e mais próxima

do coração. Grande mão,
a vossa mão desatenta,

lançando vossa semente
onde não se podia semear!

Por que, então, decidistes
prosseguir tal semeadura

que mais se assemelha ao gesto
desabrido de um artesão?

Não é mão de semeador
a mão que privilegia

o pedregulho! Sem dúvida
mão que ali deita seu grão

é mão não só negligente
mas mão de quem desperdiça.

No entanto vós a lançastes
com divina seriedade,

e a semente, que ali tombou
morreu de sede, morreu

injustiçada - parece.
Por que insististes, Senhor,

em semear no improdutivo,
ou antes, no já perdido?

Vossa mão é generosa -
- está demonstrado - mas não

se provou que vossa mão
fosse mão de semeador.

Deixastes vossa semente
morrer de sede entre as pedras,

e ainda cobrastes ao grão
fosse bom, germinativo.

Se assim semeais, ó Senhor,
como quereis que obedeçamos

aos vossos sábios preceitos,
mais sábios, porque humanos?

Vamos lá: acreditemos
que estáveis a semear

uma semente inventada
quando criastes o mundo,

e achastes que tudo estava
muito certo, muito bom.

Vossa semente, portanto.
semente era das boas,

e foi sonho de semeador
endereçar a produção

aonde ela era impossível.
Que semeador inventastes,

semeador de claro-enigma,
de ficção, não de semente!

No pedregulho a semente
nem serviu de alimento

a bocas necessitadas.
Eis que, enfim, vossa semente

caiu onde devia cair
qualquer semente sensata:

em terra boa que a acolhe
com presteza e cortesia,

dando-lhe todas as condições
de ser semente, e colheita.

Vós elogiastes tal semente,
e, ao parecer, não lastimastes

as três primeiras sementes
que de si se desviaram.

Teriam sido, afinal,
sementes pródigas, como

o jovem que se perdeu
entre mulheres e porcos,

e mais tarde se arrependeu
voltando aos braços do pai?

Teriam sido tais sementes
ovelhas que se afastaram

do redil, e se meteram
no meio dos espinheiros,

voltando ao redil somente
quando o pastor as procurou?

Sois, Senhor, um semeador
original e fantasioso,

e assombra o nunca abrirdes
mão de vossa semeadura!

Ensinai-nos, Mestre, um pouco
dessa vossa fantasia,

pois em nossa vida mortal
queremos que tudo renda,

e nunca nos acometa
o fracasso que é sempre íntimo

da mão ansiosa do semeador.
Ou só é íntimo de Vós,

de Vossa mão onipotente?
Mas então não seria mão

de semeador natural.
Ensinai-nos, Senhor, o mistério

- não do grão que é sempre bom –
mas do chão que o arado rasga

nas contradições humanas,
onde semeais, e semeais,

e nem tudo o que semeais
parece coisa de razão.

Vossa mão, Senhor, ensine-nos
o que a mão do semeador

parece ter ensinado
ao semeador irracional:

que há razão para semear
mesmo quando a terra é ingrata,

e recusa a boa semente,
não dando fruto nenhum!

Quereis, talvez, que aprendamos
com vosso semeador exótico

que o mundo não é terra boa
por ser mundo, mas é bom

porque vós possuís semente
também para semear

onde vossa misericórdia
tem seus planos repelidos.

Ensine-nos vossa parábola
a não esperar da Graça

que concedeis à humanidade
o fruto que poderia

provir de vossa humildade
de semeador desatento.

Que vejamos na vossa graça
algo que pode consolar

tanto o agnóstico quanto o crente:
a certeza de que a semente

de vossa sabedoria,
caia onde ela cair,

é boa semente sempre,
pois sois amável com quem

é caminho repisado,
é pedregulho agressivo,

é espinheiro amaldiçoado...
Entendemos: vossa semente

sempre cai bem onde cai,
e da semente não exigis

senão que caia onde cair.
Por que, então, exigirmos

da semente que frutifique
no mundo e na vossa Igreja?

Também somos semeadores
pois nos enviastes a semear

a Boa Nova em toda a parte,
sem pensarmos no terreno.

Nossa obrigação será
semeá-la como a semeastes,

aqui, ali, acolá,
onde os homens se aglomeram.

Se, ao final, nada colhermos,
que seja vossa a colheita

visto que o rumo da semente
depende de vossa mão.

Da nossa só esperamos
que lhe estendais a Vossa,

para sairmos deste mundo
com certeza assegurada

de que a semente caiu
onde três vezes caístes

com a Cruz no vosso ombro.
Vós, Semeador Divino,

caístes como a semente
para dela ressuscitardes.

Nós, do grão apodrecido
também ressuscitaremos.

Glosa ao Evangelho de São Lucas

Dois discípulos caminhavam para uma aldeia chamada Emaús. Iam falando um com o outro
sobre o que havia acontecido. Jesus aproximou-se deles, e seguiu com eles caminhando. Perguntou-lhes:
- Por que estais tristes?
Disseram-lhe: “Só tu não sabes o que aconteceu nestes dias?”!
Jesus perguntou-lhes:
- O quê?

(Lucas 24,13-35).


- O quê? É o que ainda indagam
os corações dos mortais,

que ousam dar-vos lições
de vida e morte! Mal sabiam

que havíeis recém-baixado
de vosso púlpito sangrento,

onde dois ladrões flanqueavam,
vossa dor de Homem das Dores.

Não previam tais discípulos
que lições em vossa fronte

vossos espinhos tramavam.
Cingiam-vos a cabeça,

e por eles um rei da França,
mil anos mais tarde, daria

ouro e jóias a mercadores
que vendiam pseudo-relíquias.

O quê? - então perguntastes
aos discípulos pasmados

que esperavam que pudésseis
violar os desígnios santos

da Redenção profetizada.
Caminhásteis com esses homens

de coração limitado
e longamente lhes explicastes

vosso roteiro divino.
O que? indagamos hoje,

a vós, ex-Crucificado,
a vós que, em certa manhã,

quebrastes a laje do túmulo,
e impusestes aos vossos Anjos

dobrar os lençóis perfumados
que tapavam vossa nudez.

Ressuscitado, surgis
ao lado de tais discípulos

os quais, ao final da viagem,
se acharam com os corações

ardendo! Como lhes estariam os pés
na poeira do caminho,

no silêncio de um crepúsculo
quando as primeiras estrelas

nasciam da escuridão,
e a lua andava à procura

das amantes do Rei Herodes?
Em vosso peito a ferida

da lança se transformou
numa vermelha romã,

e vossa angústia na Cruz
(que tocara o centurião)

revelou-se uma alegria
que a luz de Rembrandt pintaria

com mais luz em vosso rosto.
Toda a Igreja, ali, estava,

naquela tosca hospedaria
aonde entrastes para cear

numa tarde de desanimados.
Tomastes o pão nas mãos,

e elevastes vossos olhos.
Nesse átimo, no coração

dos discípulos ruiram
as invisíveis muralhas

de sua incredulidade.
E em silêncio ressoaram

as trombetas anunciadoras
da futura Parusia.

Tudo pode a humanidade
recusar em vossa carne,

menos vossa Ressurreição
que lhe destes como sinal.

Porque da morte nada se tira,
nem o leite, nem a água,

nem o sangue, pai da vida.
Mas de um corpo ressurgido

como o vosso, os homens temem
o raio que os joga ao chão.

Vós, Senhor, não humilhastes
os discípulos peregrinos:

permitistes que eles mesmos
se afastassem da estalagem,

e retornassem à cidade
de vossa morte insultuosa,

onde narraram a todos
o que tinham visto no pão.

Dai-nos sempre desse pão!
O pão da vossa Ressurreição,

pois a morte, nossa inimiga,
mostra sua covardia

onde nosso corpo vacila.
Mas ali onde vosso corpo

pulsa sob um pedaço de pão,
que pode ela fazer?

Quem de tal pão se sustenta
não há de morrer jamais,

e se morrer, como morrem
os planetas e os animais,

terá vida inoxidável,
uma vida diferente

que só Van Gogh douraria
com suas cores de sol.

Somos todos vossos discípulos
de um Emaús que revive

cada dia em nossos Shoppings.
Em vão se tenta matar

uma memória! Vosso Memorial
dentro de si mantém vivo

vosso Corpo. Corpo de Alguém
que com sua morte vencida

nele reside, permanecendo
o Verbo que em Deus vivia.


Glosa ao Apocalipse

“Apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida de sol, com a lua debaixo dos pés,
e uma coroa de doze estrelas na cabeça. Estava grávida, e gemia de dor sentindo as angústias do parto já próximo. Apareceu, também, outro sinal no céu: um grande dragão vermelho, com sete cabeças, dez chifres, e uma coroa em cada cabeça. O dragão deteve-se diante da Mulher
para lhe devorar o filho. Ela deu à luz um menino, destinado a governar todas as nações com um cetro de ferro”.

(Apocalipse 12, 1-5).


Este é o Sinal da Esperança!
Quem o compreende, Senhora?

Sinais os vemos na terra,
tão numerosos como

as espigas num trigal,
ou os cachos num vinhedo.

Vieram de longe os Magos,
da pátria de Zaratustra,

contemplaram sua Estrela
nos mais estranhos caminhos!

Fascinados pelas delícias
do visível, nos contentamos

com o mel das suposições,
sem perceber-lhes o fel.

Somos caniços pensantes,
sempre errantes, e sem âncoras

na imediação dos abismos.
Senhora, que sois sinal

para os eleitos, valei-nos:
socorrei os que recusam

vender suas almas às trevas.
Nossos mestres se ensoberbecem

instalados em seus tronos,
exibindo pés de barro.

Por que não os surpreendeis
com as vossas aparições?

Vós as destinais a pastores,
e a criaturas que ouvem

com as mãos nuas em concha
nos ouvidos! Por que não

reservais aos poderosos
vossos enigmas salvadores?

Ao invés, em cada objeto,
onde brilha o lume de um fósforo,

seus microscópios se concentram,
como se neles a essência

da vida, ali, se encontrasse.
Grande sinal sois somente,

Vós, Mulher, única e bela
que surgistes com um menino

nos braços e, ainda hoje,
o ofereceis aos fiéis

em Torcello, onde vos visitam
procissões de distraídos.

Somos tão empedernidos
que nem reparamos nas jóias

que diariamente desabotoam
em nossas maternidades!

Mais uma vez, ó Senhora
mostrai-vos como sinal,

ao lado de nossos dragões
graduados em economia.

Eles varrem com suas caudas
não um terço do planeta,

mas os corações desolados
dos discípulos de Cristo.

Resplenda-lhes novamente

vosso Sinal! O primeiro

João em Patmos o contemplou,
e os artistas e as tecelãs

o urdiram em seus teares
para nossos olhos curiosos.

Carecemos de novos signos,
menos óbvios, mais visíveis:

os de uma mãe que dá à luz
numa sala de espera do SUS,

onde parturientes aguardam
que o filho lhes venha, ou

que lhes venha a própria morte
livrá-las da própria morte..

Carecemos de sinais
que penetrem nossas veias,

ateiem flamas ao sangue,
e consumam a palha inútil

das fábulas e ideologias.
Carecemos de vossa fineza,

a mesma que vos induziu
a visitar Isabel

numa cidade de Hebron.,
onde fostes reconhecida

como a mãe bem-aventurada
de seu Senhor e seu Rei.

Mas onde estão Isabel
e Zacarias, e João

cuja cabeça a bailarina
deu por regalo a Herodes?

João em Patmos viu dragões!
E nós? Junto a vós, Senhora,

O que vemos? Sempre honrada
fostes nos imensos tímpanos

das catedrais! Mais humilde
se tal vos fora possível,

descei, novamente, à terra,
aos lares de amores desfeitos,

onde já não arde a memória
das brasas de Nazaré.

Misturai-vos com nossa dor,
trigo maduro a partilhar

a companhia do joio!
Ó Santa Virgem Maria,

voltai a ser o que fostes:
sinal seguro de vitória

para os seres não convidados
aos banquetes nupciais

de nossas obesas metrópoles.
Aparecei, novamente,

revestida de sol, com a lua
debaixo dos pés, aos que devoram

não só vossos filhos,mas o ventre
do qual nascem vossos filhos!

Compadecei-vos de nós,
que já não nos assustamos

com os dragões de João,
mas com os dragões que planejam

a solidão indecorosa
de milhões de desempregados.

Pari de novo vosso Filho!
Brindai-nos um novo mundo,

no qual os homens tenham piedade
uns dos outros, e haja esperança,

e ternura modelada
pela ternura dos bichos,

para que todos possamos
felicitar-nos por restaurar

a imagem do Pai que um dia,
se multiplicou em nós.

Grande sinal foi o dragão
que convosco apareceu

sempre na ribalta, festejado,
mas que, na vossa presença,

se conteve, não devorando
o Filho Recém-Nascido.

Dizei-nos: esse dragão
ainda varre com sua cauda

uma terça parte das estrelas?
Que dragões, Senhora, são esses

que andam pelo nosso mundo?
Que vosso Sinal se revele

na Cruz que ainda promete
nova vida a novos corpos,

ossos que nada mais esperam,
ossos que se refugiam

sob vosso manto de mãe
onde aguardam a nova vinda

do Filho do Homem. Não o Juíz
com demônios como jagunços

convertidos em algozes.
Oh não! Venha o olhar sereno

do Belo Cristo que nos liberta,
e nos reconduz à manhã

em que nasceu a primeira rosa!
Bom sempre sois vós, Senhor,

que interpelastes o jovem
rico, que queria seguir-vos.

Com sentimentos tão puros
esperamos que se abram os túmulos,

e que vos lembreis de como
ressuscitastes o filho

da viúva de Naim:
tomando-o pela mão.

Esperamos que vós façais
o mesmo com nosso pó,

pouco importa nossa extinção
que faz pó do próprio pó.

Esteja esse pó no mar,
numa urna, ou num jardim,

lá o encontrareis, Senhor,
esquecido de vossa ira.

Concedei às criaturas
pelas quais o vosso sangue

jorrou da Cruz, o que olho
nenhum pôde ver,

nem ouvido pôde ouvir:
a alegria de reencontrar-Vos

fora da cruz ignominiosa,
como se encontra uma flor

no ninho úmido do orvalho.
Deixai que os dragões de João

coabitem com os déspotas
na boca híbrida da História.

Fazei-nos reencontrar os cães
no vosso Reino, e os gatos,

os animais que criastes
e nos têm amor! Afora

estes, fazei – se possível -
que o magnífico leão

coma palha com o burro,
sempre a sós, arrependido

de seus coices! Arrependidos
como o burro, nos reencontrareis,

reciclados, envolvendo
com nossa ternura os seres

que se assemelham a nós.
Prontos, nas grandes vésperas

de vossa vinda futura,
em que o orbe será ordenado

pela nova ordem das coisas!
Aguardaremos que o planeta

se arrependa de ter sido
lugar para tanto horror.

Esta é a fé que anunciaram
vossos Apóstolos! Em suas redes

cerzidas nos pescareis,
nós, peixinhos do Batismo

à espera de novos céus,
e novas terras. Seremos

o que fará vossa Graça
de todos nós: seres belos

como os que Dante imaginou:
tão novos como a verdade,

tão esbeltos como o vento,
tão profundos como as noites,

tão inocentes como os relâmpagos
tão incorruptíveis como as auroras.

Glosa a um Fragmento da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios


“Ainda que eu seja capaz de falar todas as línguas dos homens e dos anjos, se eu não tiver amor,
minhas palavras serão o badalar de um sino, ou o barulho de um chocalho. Ainda que eu tenha o dom de conhecer os projetos de Deus, e saber tudo; ainda que eu tenha uma fé capaz de transportar montanhas, se eu não tiver amor, não sou nada. Ainda que eu dê em esmolas tudo que é meu;
ainda que eu me deixe queimar vivo, se eu não tiver amor, isso de nada me servirá”.

(Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios, 13, 1-3).


       Ainda que me concedais
       o real inexplorado,

       e eu seja elevado por Vós
       ao Nono Céu, ali escutando

       o que Bach, o que Mozart,
       o que Beethoven, o que Debussy

       nunca escutaram; ainda que
       um Anjo me venha ver

       e me conduza a um telescópio
       onde eu possa sondar os astros,

       mapear a Via Láctea, e nomear
       as estrelas que chegarão

       aos olhos da humanidade
       na véspera da Ressurreição;

       ainda que venha Arquimedes
       do fundo dos milênios,

       trazendo-me sua alavanca
       para levantar o que ficou

       por levantar; ainda que
       as belas sibilas da Sistina

       me transmitam o que ocultavam
       seus proféticos papiros:

       ainda que Avicena e Khayyam
       me dêem seus olhos de lince,

       e o Coélet me desengane
       da Divina Comédia de Dante:

       se eu - ou vós - não tivermos
       amor, seremos uns desditados,

       e nosso pó será duplo pó.
       Eu serei um velho sino

       que bimbalha no deserto,
       ou um chocalho que retine

       numa creche sem crianças.
       Serei um triste falante

       tresmalhado entre as palavras,
       taumaturgo cujas mãos

       um catavento decepou.
       Sem amor, Senhor, a erva

       não é erva, e o ar salubre
       se congela em nossas narinas.

       De que servirão esmolas
       se o amor não as aromatiza?

       Se o amor que fornece pés
       às centopéias, não frutifica?

       Fazei que o Apóstolo venha
       de Corinto ou New York,

       e nos lembre que a Encarnação
       do Verbo não necessita

       da Estátua da Liberdade
       para proclamar seu Reino.

       Gravai-nos, Senhor, nas almas
       as pegadas de vosso Perseguidor!

       Convencei-nos de que ele caiu
       do cavalo perto de Damasco,

       para que seu cavalo servisse
       de montaria a cada homem,

       e todos caíssemos dele
       numa rua ou artéria do mundo.

       Sem amor, Senhor, o Natal
       de Vosso Filho, e sua Paixão,

       sua Coroa de Espinhos,
       e sua Ressurreição

       não nos fariam sair dos sepulcros.
       Em algum canto do mundo

       o Absurdo nos saltearia,
       e todos regressaríamos

       a Emaús, ignorando
       como entramos nesta vida,

       e ignorando, ainda mais,
       como dela nos despedimos.

       É o amor, Senhor, que dá
       de beber a água viva

       com que saciastes a mulher
       junto ao Poço de Jacó.

       Ensinai-nos, aqui e agora,
       a amar como o Poverello

       como a casta e amável Clara,
       a amar a esmo, a amar

       como os loucos amam à noite
       os postes de rua, e os cães.

       Ensinai-nos, Senhor, a amar
       antes que a agonia nos prostre,

       e não saibamos como amar
       a vós, ao próximo, a nós,

       a esta terra em que as cotovias
       cantam a formosura das nuvens,

       e os lírios do campo, os amores
       dos que muito –e muito amaram,

       e, também, dos que imaginaram
       amar, e muito, muito erraram.


Diálogo com a Senhora da Boa Morte


       - Senhora da Boa Morte
       respondei, por cortesia,

       à pergunta que vos faço:
       “Será a morte um mistério

       que cobre o rosto da vida
       como um escuro minério

       cobre a luz de um diamante?
       Ou, talvez, se iguale à noite

       que torna mais claro o dia?”
       -Meu filho, a morte é difícil

       de explicar à inteligência!
       Ninguém, entre vós, explica

       a um caranguejo do mar
       para onde vai o navio!

       Primeiramente terias
       de explicar-lhe o que é o navio.

       - Minha Senhora, obrigado!
       mas continuai a explicação

       para que meu coração
       saia de sua melancolia.

       Podeis dizer-me (se a tanto
       não vos desgosta a questão)-:

       Por que Deus que pode tudo
       não pôde expulsar a morte

       do território da vida?
       - Meu filho, não me foi dado

       penetrar tanto os desígnios
       do Senhor que nos criou!

       Posso dar-te, todavia,
       migalhas de minha luz!

       A morte não existia
       quando Deus criou Adão.

       Ela veio como castigo
       de pais que prevaricaram,

       não comendo uma maçã
       mas pretendendo igualar-se

       ao seu Pai e Criador.
       A morte entrou neste mundo

       como cobra desonesta,
       e como cobra morrerá

       esmagada pelo pés
       das Três Virtudes Cardeais.

       Senhora, sois tão gentil
       que me animo a prosseguir

       no meu interrogatório!
       Quando vejo num velório

       tantas lágrimas rolando,
       indago também chorando:

       Por que o Pai de Jesus Cristo,
       permite a um mísero pai

       perder seu filho querido,
       e a uma mulher que ama

       ficar sem o seu marido?:
       - Meu filho, para entender

       tais separações no mundo
       terás de nadar mais fundo ,

       onde as águas são mais claras,
       embora o fundo não seja.

       Às estrelas apetece
       espelhar-se nessas águas

       mais que num rio tumultuoso.
       Sob a casca de noz da morte

       - presta atenção ao que eu digo –
       dorme a Bela Adormecida

       da Vida que Deus prometeu.
       -Senhora, quase desisto

       de inventar outras questões.,
       Pareço um pobre jumento

       que quer voar céu afora.
       Mesmo assim, se permitis

       me atrevo a perguntar ainda:
       Será que a morte, por ser

       uma montanha de dor,
       não basta para que Deus

       possa perdoar aos homens,
       todas as culpas que têm?

       - Meu filho, penso que agora
       tocaste no calcanhar

       de nosso Senhor, vulnerável
       como o do herói Aquiles!

       Deus escuta qualquer pedido
       que lhe dirija Jesus,

       seu Filho Eterno, que veio
       a este mundo,concebido

       pelo Espírito em meu seio.
       Deus é Amor, e não odeia

       a menor das criaturas,
       que chamou do Nada ao ser.

       Não me é dado garantir-te
       que todos se salvem, mas

       teu atrevido argumento
       pode ajudar a entender

       que, no abismo do viver,
       pode caber outro Abismo!

       Falo do Abismo insondável
       de um Pai que ama seu Filho,

       e nele, não só aos homens,
       mas a todas as criaturas!-

       Senhora, eu seria tolo
       se quisesse prosseguir!

       Alguém me disse que os sábios
       têm lábios para falar,

       e ouvidos,em igual número,
       para as palavras da boca.

       Se quereis, porém, juntar
       outra estrela ao vosso céu,

       escutai minha derradeira
       pergunta de ignorante:

       É verdade que costumais
       estender a vossa mão

       a quem, sendo devoto vosso,
       vos invoca na hora da morte?

       - Meu filho, a essa pergunta
       dou resposta radical.

       Jesus nunca me proibiu
       de ser Mãe dos que acreditam

       no seu Evangelho e Graça.
       Eu os recebi, outrora,

       como filhos ao pé da Cruz!
       Sim, estendo minha mão

       a todos que nessa hora
       me pedem que os acompanhe!

       Sou mãe, e também irmã,
       de toda mulher ou homem.

       Estenderei sempre a mão
       a quem descobrir na vida

       que pode em Deus ser feliz
       como feliz Nele eu fui.


[1] Comentário ao “Romance ao Divino n. 1” de São João da Cruz sobre o Evangelho:”In principio erat Verbum”

[ii]“Subida do Monte Carmelo”. In: Obras Completas Editora.Vozes em coedição com o Carmelo Descalço do Brasil, 1984. p.280..

Nenhum comentário:

Postar um comentário