quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O Brasil está Cansado.

Prometi a mim mesmo não chatear meus leitores!
Não se encontrará mais neste blog, a não ser como honrosa exceção, critica alguma a fatos negativos da política nacional.
A razão é que todo comentário supõe a existência de um certo consenso sobre a necessidade de se respeitar a verdade, e de se respeitar a si mesmo.
            Na conjuntura atual, o clima é contrário a todo respeito.
            Vemos, dum lado, o Ministério Público - ou como se dizia antigamente, a Justiça - condenar pessoas que, até agora, não puderam apresentar provas que conseguissem anular as acusações que lhes foram atribuídas.
Precisamos, acaso, acrescentar que nos estamos referindo ao Mensalão?
Oh, eles – seus afortunados mandarins - continuam soltos, como bichos que se protegem à sombra do guarda-sol das leis de preservação dos animais em extinção.
O líder deles, José Dirceu, o qual “chefiava um bando de vigaristas que assaltava os cofres públicos” (Veja, 31 de agosto de 2011), tem o topete de circular país acima, país abaixo, com uma auréola vistosa de vítima! Por um triz, não recebeu um “Voto de Desagravo” na convenção do PT!
O fato é que, nós, os cidadãos comuns, continuamos sendo ridicularizado! Mais do que isso: continuamos sendo considerados bobos.
            Merecemos, em parte, esse desdém: a única cultura existente no Brasil, nos dias que correm, é a cultura da impunidade, que já nos celebrizou no cenário internacional.
            As facções interessadas em solapar as bases populares da Presidente Dilma, mulher discreta, corajosa, e principalmente competente, usam e abusam de uma palavra faxina,  que tem a ver com um meio de sobrevivência para milhares de mulheres do país.
            Esses indesejáveis brasileiros puseram em circulação tal expressão, com o objetivo de desprestigiar a condição feminina da Presidente.
Ora, sabemos que a Presidente Dilma poderia erigir-se em faxineira da nação.
Uma faxineira capaz de fazer jus, por sua vontade de extirpação da corrupção, à memória dos mais sagrados vultos da História do país.
Será a faxina ocupação menos digna do que a profissão de deputado, de líder de um Partido? Reconheçamos: a profissão não é, em geral, suficientemente remunerada. Mas, afinal, num país que apenas saiu da Escravidão do século XIX, o fato de existir remuneração, é progresso.
            Falar, pois, de FAXINA, em relação à Presidente Dilma, é insulto, não a ela, mas às mulheres que fazem faxina, e o fazem com a mesma altivez com que a Sra. Presidente a está fazendo, nos círculos orgulhosos dos caciques da política nacional.  
Se alguém, pois, está incomodado com isso, saiba que esse alguém não é o povo.
A idéia de amordaçar a imprensa, proposta na Convenção do PT, é  uma negação da plataforma fundacional do PT, e motivo de vergonha para seus filiados, que sempre condenaram tal espantalho na época das greves no ABC Paulista.
            Lendo, recentemente, o livro de Isak Dinesen, A Fazenda Africana, anotei o seguinte trecho:
- Os conceitos de justiça da Europa e da África não são os mesmos, e os de uma parte são insuportáveis à outra. Para o africano só existe uma maneira de contrabalançar as catástrofes da existência: a indenização.(...) O nativo não ocupa seu tempo ou pensamento com considerações a respeito de culpa ou merecimento: ou ele teme que isto poderá leva-lo longe demais, ou então conclui que essas coisas não são de sua conta. Mas ele se ocupará em intermináveis especulações sobre o melhor método de equalizar o crime ou desastre em termos de carneiros e cabras.
A violação do código de comportamento da tribo só pode ser reparada quando uma assembléia de anciãos (os senadores da tribo!) decide como se fará a indenização da violação.
            Desejaríamos que isso ocorresse no Brasil!
            Temos meios de substituir os senadores e deputados, mediante uma consulta popular. Se for necessário, recorramos a um Plebiscito, para determinar o tipo de indenização pública que os beneficiados do Mensalão deveriam dar ao erário público.
            Nada de vinganças: apenas indenização!
            Até que isso aconteça, não percamos tempo com comentários s obre política nacional.     
               

Nenhum comentário:

Postar um comentário